uno, dos, tres...
André
Bruno
Kleiton
Laura
Leandro
Rafael
Thiago
14

hello, hello!
Cão Uivador
Dilbert blog
Forasteiro RS
GPF
Improfícuo
La'Máfia Trumpi
Limão com sal
Malvados
Moldura Digital
Notórios Infames
PBF archive
Wonderpree

hola!
Woodstock 2.009
O horror
Onde o futebol foi abduzido
Gas panic
Ação sem comando
Rimas Ricas
About a singer
Saúde!
Waiting for the rapture
Quando a coisa fica preta

Swinging to the music
A 14 Km/seg
Expressão Digital
Peliculosidade
Suando a 14
Tá tudo interligado
Cataclisma14 no Pan
Libertadores 2007

dónde estás?


all this can be yours...





RSS
2008 + 2009
Bruno Forasteiro - 19 agosto 2009 - 22:20
Falta pegada mesmo. Concordo em gênero, número e grau com o Tcheco. Falta aquela pegada do ano passado ao Grêmio de 2009. A começar pelo próprio Tcheco. Poderia dizer que seria mais inteligente o Grêmio economizar a passagem do Tcheco para os jogos fora de casa. Admiro muito o jogador, é o termômetro do time, mas pouco tem feito fora de casa. Acho que "pouco" ainda é coisa demais. Mas não dá pra apontar o dedo e por a culpa nele. Quem está disponível para armar as jogadas e disponível no mercado? Há uma meia-dúzia de "camisas 10" no Brasil, de fato, e Tcheco é um deles. E já é do Grêmio.

O time todo tem feito pouco, ou melhor, nada fora de casa. Poucas excessões eu vejo aqui. Adilson parece se esforçar fora de casa tanto quanto no Olímpico, mas sozinho não há o que fazer. O Grêmio de 2008 não tinha alternativas durate o jogo. Aliás, tinha, mas não as aproveitava. Dava pena ver aqueles jogadores se esforçando para, aos trancos e barrancos, conquistar as vitórias. O Grêmio 2008 pecava na falta de alternativas, culpa de seu técnico "turrão", que não aceitava fazer mudanças que pudessem fazer a sua equipe surpreender à adversária. Mas o Grêmio 2008 empenhava-se em campo. Como aqueles jogadores não tinham muito o que inventar, visto que o técnico só trocava seis por meia-dúzia, não dando opção ofensiva à equipe - se houvesse uma avenida pelo lado esquerdo do adversário, problema era do adversário, pois o Celso Roth não ocupava o espaço a fim de esboçar alguma pressão - o Grêmio ganhava na força, no tranco, no domínio e toque rápido de bola e na marcação sob pressão. Deu muito certo por um turno inteiro, até que todos percebessem isso.

O Grêmio 2009, visivelmente, toca mais a bola do que faz faltas. Joga de pé. Quando há uma possibilidade de jogada pela esquerda, as peças mudam e a jogada sai pela esquerda. Isso é bom. O Grêmio 2009 é inteligente, mas é lerdo, displicente. Creio que não adianta pensar a jogada, como faz Autuori, se ela não sair. O que falta ao Grêmio 2009 é a agilidade do Grêmio 2008, a marcação no campo ofensivo do Grêmio 2008. O Grêmio 2009 fica "encerando" pois a cada passe os jogadores dominam a bola na canela, dominam a bola na barriga, e o espaço livre se vai.. Juntasse a vontade do Grêmio 2008, com a inteligência do Grêmio 2009, creio que a coisa seria melhor.

Falei.

Bruno
Comentários: 1