uno, dos, tres...
André
Bruno
Kleiton
Laura
Leandro
Rafael
Thiago
14

hello, hello!
Cão Uivador
Dilbert blog
Forasteiro RS
GPF
Improfícuo
La'Máfia Trumpi
Limão com sal
Malvados
Moldura Digital
Notórios Infames
PBF archive
Wonderpree

hola!
Pra botar todos no espírito, uma música de carnava...
Análise de Under Cover of Darkness, novo clipe dos...
Definindo o filme Biutiful
Feliz Segunda-Feira
Diálogos em inglês que gostaríamos de ver
Entendam o mundo atual
O dia em que eu achei a minha alma
Feliz Segunda-Feira
Não comprei a ideia
Levando na conversa

Swinging to the music
A 14 Km/seg
Expressão Digital
Peliculosidade
Suando a 14
Tá tudo interligado
Cataclisma14 no Pan
Libertadores 2007

dónde estás?


all this can be yours...





RSS
O conservadorismo do carnaval
André - 12 março 2011 - 16:56
Quando penso em carnaval, as duas primeiras coisas que me vêm à cabeça são "putaria" e "programação ainda mais entediante na TV aberta". E acredito que não sou o único. O carnaval é tipo um passe livre de convenções sociais, um mundo alternativo onde podemos fazer um monte de coisas que normalmente seriam condenadas e justificá-las com o tradicional "ah, é carnaval". Basicamente, o carnaval muda aquela história de "o que os olhos não vêem o coração não sente" pra "o que os outros não julgam a consciência não sente".

Entretanto, o que inicialmente parece um rompante de ID que dura 4 dias e é aprovado por todos, na verdade é um espião jogando no time do puritanismo. Porque vejam bem, esse espaço de tempo que se apropria da ideia de libertinagem só existe se no resto do ano for exatamente o contrário, se houver uma massa opressiva de convenções, comportamento puritano e julgamentos da qual fugir. Dentro desse contexto, então, o carnaval surge como um mimo que nós recebemos e consideramos algo especial, o que nos distrai do fato de que somos julgados e controlados e condenados durante todo o resto do tempo. É tipo a empresa que faz os funcionários trabalharem até a meia-noite, mas avisa que vai pagar a pizza na janta apenas para apaziguar a situação e fingir que não está explorando a galera.

A prova definitiva disso é que a principal característica do carnaval é o uso de fantasias. Para fazer toda a balbúrdia que queremos fazer, precisamos nos fantasiar de algo que não somos no dia a dia. Porque no resto do ano, se tu faz algo um pouco mais intenso, um pouco mais fora do esperado, as pessoas olham pra ti com certo desprezo e dizem coisas como "o que tu tá pensando? Não estamos no carnaval".
Comentários: 1